Sabedoria não é democracia

A pessoa que vem é a pessoa certa
6 de Fevereiro de 2018
Os links locais regulam o mundo
9 de Fevereiro de 2018

Sabedoria não é democracia

“Como a Verdade, o Erro adoradores conta. O filósofo aprova, ou adverte com calma. E, se o Erro triunfa, ele se afasta, e espera”.

Este conselho está nos chamados Versos de Ouro de Pitágoras (*), provavelmente escritos por Lisis de Tarento (falecido por volta do ano 390 AEC). Ninguém pode negar que há sabedoria aqui, assim como em todo poema de onde eles foram retirados. Entretanto, sabedoria não é a mesma coisa que democracia.

O conceito pitagórico – e depois platônico – de filósofo, acabou prevalecendo na sua versão mais laicizada, de adorador e, então, amigo da Verdade. Havia uma Verdade (com V maiúsculo) e aceder a ela exigia uma espécie de aceitação e inserção numa ordem já desenhada antes da interação dos humanos, na harmonia cósmica, na “música das esferas”, a partir da comunhão com os padrões matemáticos puros que estão por trás do mundo fenomênico, manifesto e impuro. Sim, há uma ideia de pureza implicada na gênese do conceito de filósofo, que emanaria daquilo que é perfeito e, como tal, a um só tempo, bom, belo e verdadeiro (e tanto é assim que os Versos de Ouro, que parecem ter servido originalmente como uma espécie de missal, leitura ritual obrigatória para os discípulos da escola pitagórica, foram divididos em três partes: preparação, purificação, perfeição).

Há também um combate entre a Verdade e o Erro e essa guerra não é contingente, mas constitutiva do universo, cosmogônica.

É claro que essa perspectiva sacerdotal – uma ideologia de professores, como uma kabbalah – tinha origens míticas e consequências hierárquicas e autocráticas incompatíveis com o fluir da livre-conversação que não tem rumo (pré-figurado): como dizem os Versos de Ouro, em outra passagem, “deixa aos loucos o agir sem um fim e sem causa”.

Parece explicável que pessoas imbuídas desse tipo de visão de mundo tenham ficado escandalizadas quando apareceram, no espaço público nascente de Atenas – um ambiente comum, profano: extramuros das escolas de sabedoria, fora dos sodalícios espirituais, dos clusters fechados dos que buscavam o bom, o belo e o verdadeiro – algumas dezenas de loucos questionando a ordem pregressa e dizendo que suas opiniões (e as opiniões de qualquer um) deveriam ser levadas em conta pelo que eram, sem a necessidade de sua validação pela tradição de sabedoria ancestral. Essas pessoas irreverentes foram as que ficaram conhecidas como sofistas, odiadas por oligarcas políticos e espirituais, vítimas de intolerância, maledicência e perseguição (a ponto de terem de esconder sua real condição para sobreviver, disfarçando-se como poetas: que, se também não eram bem vistos, pelo menos eram tolerados).

Se essa brecha não tivesse sido aberta naquela carapaça epistemológica, se os malucos que se comportavam erraticamente, sem uma doutrina verdadeira como guia, como se verdade fosse tudo o que o nos faz mais livres, nunca teríamos ouvido a palavra democracia. Isso permanece até hoje: se formos conduzidos por sábios, dificilmente aderiremos à democracia.

Quer dizer, então, que a sabedoria é ruim? Não. Quer dizer apenas que o que a nossa civilização chamou de sabedoria não tem muita coisa a ver com democracia.

Imagem: Pythagoreans celebrate sunrise by Fyodor Bronnikov (1869).

(*) VERSOS DE OURO

Tradução de Dario Vellozo, do original francês de Fabre d’Olivet

PREPARAÇÃO

Aos Deuses imortais o culto consagrado

Rende; e tua fé conserva. Prestigia

Dos sublimes Heróis a imárcida lembrança

E a memória eteral dos supernos Espíritos.

PURIFICAÇÃO

Bom filho, reto irmão, terno esposo e bom pai

Sê; e para amigo o amigo da virtude

Escolhe, e cede sempre a seus dóceis conselhos;

Segue de sua vida os trâmites serenos;

Sê sincero e bondoso, e não o deixes nunca,

Se possível te for; pois uma lei severa

Agrilhoa o Poder junto à Necessidade.

Está em tuas mãos combater e vencer

Tuas loucas paixões; aprende a dominá-las.

Sê sóbrio, ativo e casto; as cóleras evita.

Em público, ou só, não te permitas nunca

O mal; e mais que tudo a ti mesmo respeita-te.

Pensa antes de falar, pensa antes de agir;

Sê justo. Rememora: um poder invencível

Ordena de morrer; e os bens e as honrarias,

Fáceis de adquirir, são fáceis de perder.

Quanto aos males fatais que o Destino acarreta,

Julga-os pelo que são: suporta-os, procura,

Quão possível te seja, o rigor abrandar-lhes.

Os Deuses, aos mais cruéis, não entregam os sábios.

Como a Verdade, o Erro adoradores conta.

O filósofo aprova, ou adverte com calma.

E, se o Erro triunfa, ele se afasta, e espera.

Ouve, e no coração grava as minhas palavras;

Fecha os olhos e o ouvido a toda prevenção;

Teme o exemplo de um outro, e pensa por ti mesmo:

Consulta, delibera e escolhe livremente.

Deixa aos loucos o agir sem um fim e sem causa;

Tu deves contemplar no presente o futuro.

Não pretendas fazer aquilo que não saibas.

Aprende: tudo cede à constância e ao tempo.

Cuida em tua saúde: e ministra com método,

Alimentos ao corpo e repouso ao espírito.

Pouco ou muito cuidar evita sempre; o zelo

Igualmente se prende a um e a outro excesso.

Têm o luxo e a avareza efeitos semelhantes.

Deves buscar em tudo o meio justo e bom.

PERFEIÇÃO

Que não se passe um dia, amigo, sem buscares

Saber: Que fiz eu hoje? E, hoje, que olvidei?

Se foi o mal, abstém-te; e, se o bem, persevera.

Meus conselhos medita; e os estima; e os pratica:

E te conduzirão às divinas virtudes.

Por esse que gravou em nossos corações

A Tétrade sagrada, imenso e puro símbolo,

Fonte da Natureza, e modelo dos Deuses,

Juro. Antes, porém, que a tua alma, fiel

A seu dever, invoque, e com fervor, os Deuses,

Cujo socorro imenso, valioso e forte

Te fará concluir as obras começadas,

Segue-lhes o ensino, e não te iludirás:

Dos seres sondarás a mais estranha essência;

Conhecerás de Tudo o princípio e o termo.

E, se o Céu permitir, saberás que a Natura,

Em tudo semelhante, é a mesma em toda parte.

Conhecedor assim de todos teus direitos.

Terás o coração livre de vãos desejos,

E saberás que o mal que aos homens cilicia,

De seu querer é fruto; e que esses infelizes

Procuram longe os bens cuja fonte em si trazem.

Seres que saibam ser ditosos, são mui raros.

Joguetes das paixões, oscilando nas vagas,

Rolam, cegos, num mar sem bordas e sem termo,

Sem poder resistir nem ceder à tormenta.

Salvai-os, grande Zeus, abrindo-lhes os olhos!

Mas, não: aos Homens cabe, – eles, raça divina-,

O Erro discernir, e saber a Verdade.

A Natureza os serve. E tu que a penetraste,

Homem sábio e ditoso, a paz seja contigo!

Observa minhas leis, abstém-te das coisas

Que tua alma receie, em distinguindo-as bem;

Sobre teu corpo reine e brilhe a Inteligência,

Para que, te ascendendo ao Eiter fulgurante,

Mesmo entre os Imortais, consigas ser um Deus!

DEVEMOS MELHORAR OU MUDAR A EDUCAÇÃO?

Para saber isso vamos conhecer as principais críticas feitas por pensadores da educação e refletir se nossas atividades estão sintonizadas com a mudança que está vindo, em especial agora que a sociedade está ficando mais interativa e com a inteligência artificial que vai se encarregar de muitas das tarefas que sempre foram executadas por nós. Mais um motivo para tentar descobrir quais são as características de uma aprendizagem tipicamente humana, que nunca poderá ser realizada por máquinas ou programas inteligentes.

Para participar de um curso voltado para a investigação destas questões, CLIQUE AQUI.