Primeiro apareceu o professor e só depois o ensino

Campbell Humana
Uma pista sobre a origem do ensino
7 de maio de 2016
Holt Humana
O tempo todo despertos
7 de maio de 2016

Primeiro apareceu o professor e só depois o ensino

Sacerdotes Humana

Parece aquela pegadinha: quem surgiu primeiro, o ovo ou a galinha?

Mas aqui a resposta está mais fácil. Quem apareceu primeiro foi a galinha. E aí ela (a galinha, quer dizer, o professor) foi depositando seus ovos (o modo-ensinamento ou a ensinagem) no paciente ensinado (o aluno).

Configurado um corpo docente, surgiu, portanto, o ensino. Por que? Porque o ensino era fundamental para a reprodução de um estamento (a casta sacerdotal, representada aqui pela galinha). E era fundamental porque essa casta não conseguia se reproduzir pela dinâmica própria da vida social (eles não trabalhavam, como observou, no final da década de 1950, Joseph Campbell). Então ela (a galinha) tinha que depositar (nos alunos), os ovos do demônio professoral (que, quando eclodissem, instalavam no paciente o programa ensinante; a partir daí a pessoa inoculada saía transformando tudo em ambiente de ensinagem: fosse sua própria família, sua igreja, sua organização social ou política, sua empresa ou até sua… escola). Ensinamento é (geneticamente) igual à reprodução de estamento.

A definição de um ensinamento (um conteúdo protegido da interação para ser transfundido do docente ao discente) foi pura produção artificial de escassez: se o conhecimento não fosse escasso (posto que trancado por uma casta), mas estivesse acessível a todos, se uma pessoa pudesse aprender por si mesma (autodidatismo) ou aprender com seus amigos (alterdidatismo), não haveria necessidade de uma casta que o guardasse para transmiti-lo com exclusividade e autoridade (heterodidatismo).

O ensino (heterodidata) é uma proteção contra a experiência da livre-aprendizagem (autodidata e alterdidata). Se quisermos ser mais incisivos podemos dizer que o ensino surgiu contra a aprendizagem. Se você leu Carl Rogers (1952) ou John Holt (1989) entenderá o que estamos dizendo. Rogers chegou à conclusão de que “Devíamos renunciar ao ensino. As pessoas teriam de reunir-se se quisessem aprender”. Veja abaixo a citação inteira de Carl Rogers (1952) em Reflexões pessoais sobre ensinar e aprender:

“Quando tento ensinar, como faço às vezes, fico consternado pelos resultados, que me parecem praticamente inconsequentes, porque, por vezes, o ensino parece ser bem-sucedido. Quando isso acontece, verifico que os resultados são prejudiciais, parecem levar o indivíduo a desconfiar da sua própria experiência e isso destrói uma aquisição de conhecimentos que seja significativa. Por isso, sinto que os resultados do ensino ou não têm importância ou são perniciosos… Posso… [dizer que], se a experiência dos outros for semelhante à minha e se eles tiverem chegado a idênticas conclusões, decorrerão deste fato inúmeras consequências: a) Uma tal experiência implicaria que se deveria renunciar ao ensino. As pessoas teriam de reunir-se se quisessem aprender; b) Devíamos renunciar aos exames. Eles medem apenas o tipo de ensino inconsequente; c) Pela mesma razão, deveríamos acabar com diplomas e graus acadêmicos; d) Deveríamos abandonar os diplomas como títulos de competência, em parte pela mesma razão. Outra razão reside no fato de um diploma marcar o fim ou a conclusão de alguma coisa, e aquele que aprende está unicamente interessado em continuar a aprender”.

Na mesma linha, Holt escreveu: “Posso resumir em cinco ou sete palavras o que casualmente aprendi como professor. A versão de sete palavras é esta: ‘Aprender não é o produto de ensinar’. A versão de cinco palavras é esta: ‘O ensinar não produz aprendizagem’”. Leia a citação inteira de John Holt (1989) em Aprendendo o tempo todo:

“Crianças não são apenas extremamente boas em aprender; elas são muito melhores nisso do que nós, adultos. Como professor, levei muito tempo para descobrir isso. Eu era um professor engenhoso e cheio de recursos, hábil no planejamento de aulas, demonstrações, formas de motivação e toda a parafernália pedagógica possível. E foi somente aos poucos, e dolorosamente — acreditem em mim: dolorosamente -, que aprendi o seguinte: quando passei a ensinar menos, as crianças começaram a aprender mais. Posso resumir em cinco ou sete palavras o que casualmente aprendi como professor. A versão de sete palavras é esta: “Aprender não é o produto de ensinar”. A versão de cinco palavras é esta: “Ensinar não produz a aprendizagem”. Como mencionei antes, a educação formal opera com o pressuposto de que as crianças aprendem somente o que, quando e porque lhes ensinamos. Isso não é verdade. Está, de fato, muito perto de ser 100% falso”.

 

Se você quiser se conectar a uma comunidade de investigação que está trabalhando no desenvolvimento de uma nova teoria interativista da aprendizagem e ser mais um pesquisador associado, saiba como clicando aqui http://humana.social/comunidade-de-investigacao/

Quer aplicar tudo isso? Conheça o HUMANA.SOCIAL – Aprendizagem Interativa (antigo INOVA-EDU), um curso no qual você pode aplicar a aprendizagem interativa: https://redes.org.br/humana/

Comentários

comentários